sexta-feira, 24 de março de 2017

Novo Livro de Fuzzil - Um Abrigo Contra a Tempestade - Mais um lançamento da "Academia Periférica de Letras".


Céu de Agosto - Livro de Fuzzil

Em 2013 lancei o livro de poesia "Céu de Agosto", livro esse com participação de Carmen Faustino e Vilma Negra Drama. Um livro feito com amor e que marcou o ano. Teve lançamento em vários eventos culturais e bem aceito nas rodas literárias. 
















TRAIÇÃO - Poesia de Fuzzil



Entrou no banheiro
Sem olhar para os lados
Os lábios molhados
De um líquido qualquer.
Linda mulher
Com o peito em chamas
Queimava de raiva
Gritava: sacana.
Riscou um poema
No espelho embaçado
Batom cor de sangue
Um tom revoltado.
Cega de amor
Insana perdida
Entre a cruz e a espada
Pobre menina.
Puxou uma carreira
Sozinha de canto
Em questão de segundos
Caía em pranto.
Iludida na vida
Não acreditava
Foi traída pela amiga
Dentro da própria casa.

Fuzzil

Catura livro de Fuzzil

Em 2010 foi lançado meu segundo livro de poesia " Caturra", pelo Selo Elo da Corrente Edições. Livro esse que passou por vários espaços culturais e até hoje circula pelas periferia do Brasil. 







Fuzzil

Fuzzil participando da entrevista com Alessandro Buzo

Sou mais tiroteios poéticos
Do que tiroteio entre polícia e bandido
Que venham os versos certeiros... 
Deus me livre das balas perdidas.

Fuzzil

Bailarina - Poesia de Fuzzil


Na ponta dos pés
Ela baila, ela é linda
Me refiro à dama
Minha bailarina.
Sapatilha em punga
Representa de fato
Desistir jamais
Desistir é pros fracos.
Em cima do palco
Afro bailarina
Com um sorriso no rosto
Vivendo a sua vida.
Tem que ter sintonia
Ligeira no desempenho
Quando a vejo bailar
Viajo no tempo.
Essa é minha menina
Que sabe bem o que quer
Ela é pura elegância
Amante do Ballet.
Bem me quer, mal me quer
Deixa quieto essas fitas
Foco na minha musa
A flor bailarina.
Já dançou na esquina
Do meu peito, confesso
Ela não fica tonta
Dando giros concretos.

Eu me sinto, é lógico
Ela baila, ela é linda
Me refiro à dama
Minha bailarina.

Fuzzil


Um Abrigo Contra a Tempestade - Novo livro de Fuzzil

A rua já não é a única cúmplice da poesia de Fuzzil. O poeta do gueto, que ousou dar um novo significado ao seu nome, também transformou seus versos em asas. Mas ele não voou só. Suas rimas destruíram fronteiras, chegaram às escolas, universidades e ensinaram o caminho da autoconfiança a muitos corações. 

Ni-Brisant

As minhas poesias
Sei que balançam ondas
E ondas derrubarão
Os tubarões da hipocrisia.


Ela & Eu


Ela pediu um haikai
Eu fiz um acróstico
Ela pediu um soneto
Eu fiz um conto.

Ela me convidou pro cinema
Eu não pensei duas vezes
Ela é muito romântica
Eu também, às vezes.

Ela pediu um abraço
Eu dei um longo beijo
Ela abriu um sorriso
Eu matei meu desejo.

Ela pediu um presente
Eu pensei no passado
Ela queria aliança
Eu já tinha comprado.